Search This Blog

Loading...

Monday, April 9, 2012

De Coriscos a Rabo Tortos a Fuseiros - Uma viagem pelas alcunhas dos Açores

ALMA AÇÓRICA (41) 
As preocupações demográficas entre nós, fora das perspectivas partidárias, suscitam análises sobre o desenvolvimento regional e, por fim, sempre emergem as ideias dos “modelos de”, ou, ao invés, medidas como as que vigoram para as chamadas ilhas da coesão, concorde-se ou não com elas…O depauperamento da nossa pirâmide populacional tem vindo a ocorrer com maior intensidade a partir da década de 60 com forte surto emigratório para as então ex-colónias para além dos países tradicionais da nossa diáspora. Malgrado, seja problema estrutural os últimos censos voltaram a indiciar um ligeiro aumento global, nem sempre acompanho em algumas ilhas…É desta escassez de pessoas que se originou a expressão propensa para a alcunha “aquele é da Fajã do lá vem um” , significando que pouca gente se via nas artérias desses lugares… As alcunhas (do árabe alkunia=apodos, cognomes ou apelidos no Brasil) têm diferentes e diversificadas géneses (aspecto específico da pessoa ou família, traço físico ou de personalidade, ou alcunha ligada ao lugar de nascimento… Santa Maria, Cagarros; S. Miguel, Coriscos ou Almas de Pau; Terceira, Rabos Tortos ou Alferes; Graciosa, Alcavaços ou Tinhosos; S. Jorge, Capitães, Pataco Falso ou Inhameiros; Pico, Picarotos ou Cachalotes; Faial, Contrabandistas ou Madraços; Flores, Lapujos e Corvo, os Águias. Os residentes nas freguesias, por vezes, também as têm, como na ilha do Faial: Angústias, Amancebados; Capelo, Demandistas; Castelo Branco, Penteados; Cedros, Birrentos; Conceição, Faladores; Feteira, Ambiciosos; Flamengos, Soberbos; Matriz, Comerciantes; Pedro Miguel,
Lambareiros; Praia do Almoxarife, Pescadores; Praia do Norte, Namoradores; Ribeirinha, Escarnentos e Salão, Folgazões. Em S. Jorge, conhecem-se em freguesias e até lugares: Velas, Macacos; Rosais, Lavradores; Santo Amaro, Fadistas; Urzelina, Rendeiros; Manadas, Senhores; Norte Grande, Burriqueiros; Norte Pequeno, Inhameiros; Calheta, Papagaios; Ribeira Seca, Negociantes; Santo Antão, Magrinhos e Topo, Ladrões. Quanto a Lugares: Figueira (Pimpães); Fajã de Santo Amaro(Vinhateiros) Beira (Queijeiros) Toledo (Pobres) Santo António (Vaqueiros) e Ribeira da Areia (Cabreiros)…Todos estes, menos conhecidos do que os Serrotes (Vila Franca) e Fuzeiros (Ribeira Grande) ou os Lepras (Ribeiras até às Lajes do Pico)…imaginação, rivalidades e estórias, na identidade das almas açóricas….


Autor José Contente - Secretário Regional Ciência Tecnologia Equipamentos - Região Autónoma dos Açores
A série Alma Açorica pode ser acompanhada em:  http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/comunidades/

A alcunha faz parte do dia a dia da diáspora açoriana. Neste trabalho de José Contente, encontramos muitas das alcunhas que julgo a maior parte dos açorianos não conhecerem os locais a que se referem.