Search This Blog

Loading...

Wednesday, June 20, 2012

Poemas de Miguel Torga


FADO 


Tem cada povo o seu fado
Já talhado
No livro da natureza.
Um destino reservado,
De riqueza
Ou de pobreza,
Consoante o chão lavrado.

E nada pode mudar
A fatal condenação.
No solo que lhe calhar,
A humana vegetação
Tem de viver, vegetar,
A cantar
Ou a chorar
Às grades desta prisão.

                                              No livro da natureza.
                                              Um destino reservado,
                                              De riqueza
                                              Ou de pobreza,
                                              Consoante o chão lavrado.

                                              E nada pode mudar
                                              A fatal condenação.
                                              No solo que lhe calhar,
                                              A humana vegetação
                                              Tem de viver, vegetar,
                                              A cantar
                                             Ou a chorar
                                             Às grades desta prisão.


 Anjos - Almirante Reis dia de nevoeiro
Auguarela de  Meste Real Bordalo

LISBOA

Poema de: Miguel Torga

A luz vinha devagar
Através do firmamento...
Vinha e ficava no ar,
Parada por um momento,
A ver a terra passar
No seu térreo movimento.

                                        Depois caía em toalha
                                        Sobre as dobras da cidade;
                                        Caía sobre a mortalha
                                        De ambições e de poalha,
                                        Quase com brutalidade.

O rio, ao lado, corria
A querer fugir do abraço:
Numa vela que se abria,
E onde um sorriso batia,
O mar já era um regaço.

                                          Mas a luz podia mais,
                                          Voava mais do que a vela;
                                          E o Tejo e os areais
                                          Tingiam-se dos sinais
                                          De uma doença amarela.

Ardia em brasa o Castelo,
Tinha febre o casario;
Cada vez mais nosso e belo,
O profeta do Restelo
Punha as sombras num navio...

                                           Nas casas da Mouraria,
                                           Doirada, a prostituição
                                           Era só melancolia;
                                           Só longínqua nostalgia
                                           De amor e navegação.

Os heróis verdes da História
Tinham tons de humanidade;
No bronze da sua glória
Avivava-se a memória
Do preço da eternidade.

                                           Nas ruas e avenidas,
                                           Enluaradas de espanto,
                                           Penavam, passavam vidas,
                                           Mas espectrais, diluídas
                                           Na cor maciça do encanto.

E a carne das cantarias,
Branca já de seu condão,
Desmaiava em anemias
De marítimas orgias
De um fado de perdição.



Em:  lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/ 

No comments: